sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

Os 20 escritórios mais legais de 2012!!

A revista Inc. fez uma seleção com os 20 escritórios mais legais de 2012. Eles possuem um design inspirador e ambiente de trabalho invejável que vai além das mesas de bilhar e ping pong. Nós aprovamos a lista da revista Inc., publicada em seu site, e vamos dividir com vocês para encerrar o ano com chave de ouro!! Vem conferir e escolha seu preferido!!!

1. Square:
Localização: São Francisco
Designer: Studio O+A


O fundador da empresa de pagamentos móveis, Jack Dorsey, desde os primórdios sempre foi defensor do design limpo. Ele inclusive mandava os funcionários limpar as mesas ao final do dia. E assim foi construída a nova sede da Square baseada em linhas modernas e clean.

2. Microsoft:
Localização: Viena
Designer: Innocad Architektur


Concluída no final de 2011 por US $ 3,6 milhões, contém salas de conferências temáticos, incluindo uma decorado como um oceano e outra como um pavilhão de caça. Mas talvez a maior característica deste escritório de Viena é a sua área de recepção ampla e cheia de surpresas e tecnologia.

3. Parliament
Localização: Portland
Designer: Chris Erickson


A agência de publicidade com toque de cabana rústica possui paredes de lenha que parecem ter sido construídas a mão. Ar de cabana na montanha.

4. Grupo Gallegos
Localização: Huntington Beach, California
Designer: Lorcan O'Herlihy


O escritório do Grupo Gallegos, uma empresa de publicidade conhecida por campanhas de língua espanhola, está alojado em um antigo cinema, com vista para o Oceano Pacífico. Personalizados guarda-chuvas brancos - 360 no total - ficam suspensos do teto da empresa. 

5. Quid
Localização: São Francisco
Designer: Studio O+A


Bob Goodson, o co-fundador da Quid, começou a construir um escritório de sonho com apenas US $ 25.000. Goodson e seu designer pegaram móveis e lâmpadas em mercados de pulgas e começaram a criar os ambientes.

6. Google
Localização: Nova Iorque
Designer: HLW


O escritório, que abriga muitos dos engenheiros da empresa tem embutido sinais de código QR ​​na parede, antenas de TV falsos, e um espaço especial com bateria e guitarras elétricas. 

7. Quirky
Localização: Nova Iorque
Designer: Spector Group & Ben Kaufman



O escritório da Quirky fica no sétimo andar de um antigo armazém, construído em 1875, localizado no bairro nova-iorquino de Chelsea. Muitos dos móveis do escritório são itens reaproveitado e até um conjunto de armários do ensino médio serve como a recepção. 

8. AirBnB
Localização: São Francisco
Designer: Garcia-Tamjidi Architecture


O Airbnb é um mercado comunitário para as pessoas anunciarem, descobrirem e reservarem acomodações exclusivas no mundo inteiro, desde quartos a castelos. A empresa que passou seus primeiros anos amontoados em um pequeno apartamento em São Francisco hoje conta com uma sede com réplicas de alguns dos quartos oferecidos.

9. Twitter
Localização: São Francisco
Designer: RMW Architects, Interior Architects & Lundberg Design


A empresa se comprometeu a revitalizar um prédio Art Deco e em contrapartida obtiveram benefícios fiscais além de melhorias no trânsito e até uma delegacia foi implantada próximo ao escritório. O escritório possui mobiliário e acabamentos sustentáveis.

10. Urban Outfitters
Localização: Philadelphia
Designer: Meyer Scherer & Rockcastle


O fundador da Urban Outfitters, Dick Hayne, comprou quatro gigantescas construções desativadas perto dos rios Delaware e Schuylkill, e afundou $ 100 milhões para transformá-los em uma sede corporativa que refletem raízes dos edifícios industriais.

11. Skype
Localização: Estocolmo
Designer: PS Arkitektur


Como em outros escritórios, sempre existem elementos que remetem a teia de conexões criadas pelo skype. 

12. The M@dison
Localização: Detroit
Designer: Doodle Home & Neumann Smith


Por quase 25 anos, o Teatro Madison ficou vago. Mas em 2011, Dan Gilbert, o bilionário fundador da Quicken Loans adquiriu este edifício de 1917 e criou uma Meca total para start-ups. O "industrial chic" edifício inclui também um auditório 135 lugares, e um pátio na cobertura gigante.

13. BrandBase
Localização: Amsterdam
Designer: Most Architecture


Quando se trata de sede BrandBase, menos realmente é mais. O mobiliário é construído de paletes de madeira - e nada mais. A estrutura dos paletes convida os funcionários a utilizarem-na em pé, sentado ou de qualquer maneira que escolher. 

14. Cargo
Localização: Geneva
Designer: Group8


Em 16 containers adaptados funcionam espaços de escritório e salas de reuniões para os funcionários da empresa, proporcionando uma homenagem industrial chique para as raízes da empresa de transporte. As cores vivas dos containers também contrastam bem com as paredes nuas brancas do escritório, que antes era utilizado como armazém industrial.

15. AOL Ventures
Localização: Nov Iorque
Designer: Keegan Vance Forte


Instalado no quarto andar de um antigo quartel-general casa nova da AOL Ventures tem decoração de mesas de bilhar antigos, desgastados tapetes orientais, piadas de arte moderna e paredes com as janelas e portas em arco e tijolos expostos.

16. Jung von Matt
Localização: Hamburg, Alemanha
Designer: Stephen Williams Associates


Design liso e limpo mas que ressalta o mobiliário da agência que parece ter sido desenhado a mão e fica totalmente integrado com todo o resto do ambiente.

17. Wonder Factory
Localização: Nova Iorque
Designer: 212 Box & Forgaty Finger


Nessa empresa o conceito principal é que cada espaço seja um local exótico, explodindo com uma cor diferente ou tema atraente. 

18. Nothing
Localização: Amsterdam
Designer: Alrik Koudenburg & Joost van Bleiswijk


O diferencial dessa agência está nas estantes, mesas e divisórias que são revestidos com papelão. Totalmente inusitado.

19. Buck O'Neill Builders
Localização: São Francisco
Designer: Jones | Haydu

Design limpo e cheio de charme. O painel verde ao lado da sala de conferência elevada juntamente com as mesas recicladas e revestidas com papelão mostram o conceito sustentável da empresa.

20. Fast Times: Red Bull London
Localização: Londres
Designer: Jump Studios



Um escorregador permeia o escritório trazendo ao ambiente um ar playground e descontraído.

E você? Aprovou a lista? Já tem seu preferido?
Veja a reportagem na íntegra em: Inc

sexta-feira, 16 de novembro de 2012

10 dicas para fazer seu 13º render!!!

Post escrito originalmente por Flávia Gianini para Isto é Dinheiro



1) Calcule. Antes de tudo, avalie sua situação financeira atual e inclua os gastos típicos do início do próximo ano;

2) Endividado? Não tenha dúvida: pague e evite mais juros;

3) Se não for possível eliminar todas as dívidas, renegocie. Aproveite o dinheiro na mão para conseguir termos melhores;

4) Faça uma lista com os nomes das pessoas que serão presenteadas no Natal e defina o valor das compras;

5) Compre os presentes com antecedência enquanto os preços estão mais baixos, ou espere até janeiro quando começa a temporadas de liquidações;

6) Evite tentações: não leve cartão para as compras. Pague tudo à vista e peça desconto;

7) Comece uma poupança se não tem nenhuma reserva de emergência. Ela permite fugir das dívidas ao longo do próximo ano;

8) Caso já tenha dinheiro guardado, aposte em um investimento de longo prazo com rentabilidade superior a poupança;

9) Quer tirar férias? Guarde o dinheiro e fuja do período de alta estação porque os preços são bem maiores;

10) Organize-se financeiramente ao longo do próximo ano. Assim, com o seu próximo 13º salário, vai ser possível usufruir de pequenos luxos sem peso na consciência.

terça-feira, 16 de outubro de 2012

Os 7 pecados capitais do dinheiro


Atire a primeira pedra quem nunca cometeu um pecado quando o assunto é dinheiro. Pode ser a inveja de alguém que tem um investimento que rende mais do que o seu ou a vontade de comprar muito, mas muito mesmo, sem conseguir se controlar. Os sete pecados capitais — gula, avareza, luxúria, ira, inveja, preguiça e vaidade — fazem parte do cotidiano e todo mundo pode pecar em algum momento da vida.

A origem deles é antiga, surgiram no século 6, quando o papa Gregório Magno (540-604 d.c.) deu origem à lista dos sete pecados capitais, usando como referência as cartas do apóstolo Paulo, escritas durante suas visitas religiosas às comunidades coríntia e romana. No século 13, a igreja católica reconheceu oficialmente esses pecados como infrações de caráter do homem. no mundo das finanças, os problemas começam quando esses pecados prejudicam sua relação com o dinheiro.

Com a ajuda de nove especialistas em finanças pessoais, você vai aprender como fugir dos deslizes que podem comprometer seu planejamento financeiro e a realização dos seus sonhos.


Gula por tecnologia 
Quando a Apple anunciou a abertura de sua loja de músicas e filmes no Brasil, a iTunes Store, o engenheiro civil Luiz Augusto Pacheco, de 30 anos, pressentiu que teria problemas. Entre os sete pecados capitais, ele sempre comete o da gula. Nesse caso, a gula é a sua voracidade por comprar produtos tecnológicos.

"Na primeira semana, gastei 300 dólares comprando músicas." O sócio da Inva Capital, empresa de investimentos, em Curitiba, Paraná, sempre foi aficionado de tecnologia. Quando era adolescente teve mais de 100 jogos para videogame. Hoje, ele tem todos os produtos da Apple e já comprou a recém-lançada Apple TV. Sabendo que sua tentação são produtos eletrônicos, Luiz faz um orçamento mensal que prevê a compra desses produtos.



Quando o assunto é finanças pessoais, o pecado da gula pode ser comparado ao consumo em excesso. Quem tem gula por compras, provavelmente, é mais suscetível a cair no endividamento para adquirir imediatamente o que deseja. "Antes de cometer esse pecado é preciso perguntar: eu realmente preciso comprar isso agora?", diz Ricardo Fairbanks, consultor da Dinheiro em Foco, em São Paulo.

Quem decide que quer comprar um carro zero-quilômetro sem ter dinheiro vai pagar juros altos. É o custo da gula. Um automóvel que vale 35 000 reais, parcelado em 60 prestações, com juros de 1,5% ao mês, vai custar 46 208 reais quando você terminar de pagá-lo. Sendo que 11 208 reais serão gastos apenas com juros. Mas o pecado da gula também pode se manifestar na hora dos investimentos financeiros.

O guloso sempre pensa nos ganhos rápidos e muda de aplicação sem considerar que pode perder grana. "Ele acha que não corre nenhum risco", diz a psicóloga Vera Rita de Mello Ferreira, representante no Brasil da Iarep (associação internacional de pesquisas em psicologia econômica, na sigla em inglês). Esse perfil é o mais propenso a cair em fraudes financeiras.



A proporção de avarentos no país é muito maior do que se imagina. De cada 100 pessoas, pelo menos 20 preferem guardar o dinheiro em investimentos seguros e não comprar nada, segundo levantamento feito por Raphael Cordeiro, consultor financeiro, em Curitiba, Paraná.

Os avarentos adiam o consumo, não se permitem gastar nada além do planejado e, quando decidem investir, optam pela poupança. "Eles acreditam que estão guardando dinheiro, mas na verdade estão perdendo oportunidades de ver a grana aumentar em outras aplicações mais rentáveis", diz Raphael. Uma boa solução é começar a diversificar os investimentos, colocando uma parte em renda fixa e um pequeno percentual, 20%, em ações.

A determinação de não gastar pode fazer com que os avaros façam negócios financeiros ruins. "Eles negociam tanto a redução das taxas de investimento que ficam com poucos serviços prestados pelas corretoras", afirma a economista Alexandra Almawi, da Lerosa Investimentos, em São Paulo. Uma solução para equilibrar a vida dos avarentos é recorrer ao planejamento financeiro. Com os objetivos definidos, fica fácil gastar grana com um carro novo sem sentir culpa.




Os luxuriosos gostam de ostentar produtos caros e requintados. "A ideia de consumir para ter status é frustrante porque é um caminho sem fim", diz Jurandir Sell Macedo, consultor de finanças pessoais e professor da Universidade Federal de Santa Catarina. A luxúria é tão presente no mundo das finanças que o economista americano Thorstein Veblen fez vários estudos até sua morte, em 1929, e concluiu que o único objetivo do consumo é a ostentação.

Para ele, a acumulação de dinheiro e de bens materiais é menos uma necessidade e mais a busca de uma posição de honra na sociedade. É claro que todo mundo gosta de mostrar para o amigo o carro novo ou a roupa da moda, o problema é quando a busca do prazer do consumo é a única razão da vida.

Eles não conseguem adiar essa busca e, por isso, geralmente, ficam endividados e investem pouco. Nesse caso, a solução é não gastar mais do que se ganha. "Mas, quando os luxuriosos decidem investir, preferem ser mais agressivos", diz Rogério Bastos, diretor da consultoria de investimentos FinPlan, em São Paulo. No entanto, a meta é ter a máxima rentabilidade para financiar seus caprichos, que são bem caros.



A preguiça é o pior pecado capital. No mundo das finanças, o preguiçoso é o principal candidato a perder dinheiro. É ele quem costuma deixar as prestações atrasar por preguiça de ir ao banco quitá-las. Com isso, paga juros. Uma alternativa, nesse caso, é recorrer ao débito automático.

Ele também costuma pagar mais caro nas compras porque prefere as lojas de conveniência, onde os produtos têm preços maiores. O preguiçoso pode deixar o dinheiro parado na conta-corrente ou aplicar apenas na poupança porque tem preguiça de escolher outro investimento. Quem colocou 50 000 reais na poupança em janeiro de 2011 chegou ao fim do ano com um ganho de 3 600 reais, considerando uma rentabilidade nominal de 7,20%.

Já quem perdeu um pouco mais de tempo, pesquisou investimentos e aplicou os mesmos 50 000 reais em um fundo de renda fixa, com juros de 12% ano, taxa de administração de 1,5% e Imposto de Renda de 15%, ganhou 4 462,50 reais. "A diferença parece pequena, mas ao longo do tempo esses valores aumentam muito o saldo total", diz Rogério Bastos, consultor da FinPlan, em São Paulo. Conheça seus desejos e trace um planejamento para realizá-los.



Adeus, preguiça
A disposição que o empresário paulistano Emiliano Felipe Pedro, de 37 anos, tinha para fazer atividades circenses não se refletia na necessidade de cuidar do dinheiro. "Até os 30 anos, eu só gastava, tinha preguiça de pensar em investimentos." A situação mudou depois de viver quase cinco anos em Londres com a mulher, Rachel.

Lá, os dois participavam de uma companhia de circo e recebiam cerca de 3 000 libras por mês. "Percebemos que a libra valia muito mais do que o real e começamos a poupar", diz. Quando voltou ao Brasil, tentou montar um grande empreendimento, que não deu certo. Depois, abriu uma agência que produz espetáculos artísticos, a TrixMix, e fez um curso de finanças pessoais.

Hoje não perde tempo quando o assunto é cuidar da sua grana. Ele mantém 40% do patrimônio em títulos do governo comprados por meio do Tesouro Direto e o restante vai para ações e fundos imobiliários.



Mesmo quem não quer confessar sabe que lá no fundo sente inveja de alguém ou de alguma coisa. "A inveja é quando você compra o que não precisa, com o dinheiro que não tem, para causar uma boa impressão em quem você não gosta", diz o consultor financeiro Mauro Calil, da Calil & Calil, de São Paulo.

Se é assim, é natural que os invejosos acabem consumindo mais do que podem para ostentar o mesmo carro ou a mesma roupa de um amigo ou parente. "Uma das grandes molas do consumo do mundo moderno é a inveja", diz Jurandir Sell Macedo, consultor de finanças pessoais.

No lado dos investimentos, a inveja é bastante presente e uma das causas do efeito manada do mercado financeiro. Essa é a dominação do fenômeno que ocorre quando algumas pessoas começam a ganhar dinheiro na bolsa e várias outras entram no mercado, como uma manada, para ganhar também.

A mesma coisa acontece quando a bolsa despenca. O problema é que quem age dessa forma deixa de lado seus objetivos e sua estratégia de investimentos. "Se espelhar em alguém pode até ser saudável, se não for uma obsessão", diz Andre Novaes, presidente da Life Finanças Pessoais, em Campinas, no interior de São Paulo.



Tem gente que fica muito vaidosa em contar aos amigos que suas aplicações financeiras estão rendendo bem mais do que a média do mercado financeiro. Provavelmente, são pessoas bastante vaidosas. "Finanças pessoais é assunto particular. Você não deve falar com ninguém sobre elas no clube ou no restaurante", diz Rogério Bastos, consultor da FinPlan, em São Paulo.

A vaidade, quando não está controlada, pode fazer com que você opte pelo consumo excessivo no presente e deixe de pensar no futuro. Para escapar da cilada dos gastos desenfreados, a dica dos especialistas é recorrer ao planejamento financeiro. "Ele vai ajudar a balizar seus gastos de forma eficiente", diz Marcos Silvestre, consultor de finanças pessoais. Se na vida as mulheres são mais vaidosas do que os homens, no mundo financeiro eles é que pecam mais.

"A mulher é mais cuidadosa na hora de escolher seus investimentos e busca muitas informações. Já a vaidade masculina faz com que os homens acreditem que conhecem tudo e invistam com pouca informação. O risco de perder dinheiro nessas condições é grande", diz a economista Alexandra Almawi, da Lerosa Investimentos.



A bolsa de valores caiu 18% no ano passado e, provavelmente, você deve ter ouvido a história de alguém que investiu em ações, perdeu muita grana e decidiu nunca mais voltar para o mercado de capitais.

Provavelmente, essa pessoa está cometendo o pecado da ira. Quando alguém está irado, não avalia os riscos de um investimento, age impulsivamente e, nesse caso, a possibilidade de perder dinheiro é grande.

Outra situação comum em que o pecado da ira aparece é durante o divórcio. "Nessa hora, quem está com raiva quer tirar todo o dinheiro do ex-cônjuge", diz Ricardo Fairbanks, consultor da Dinheiro em Foco, em São Paulo. É comum que os irados prefiram as aplicações financeiras que rendam mais — eles são investidores arrojados. Nesse caso, o melhor jeito de amenizar a ira é fazer a diversificação dos investimentos.

Outra opção é criar uma carteira resistente às oscilações, comprando ações de companhias que atuem em setores correlacionados, como exportadoras e importadoras. Quando as importações crescem, o investidor ganha porque as ações estão em alta. Quando o fluxo da balança comercial muda, ele continua ganhando, só que com a alta das exportações.

Esse post foi escrito por Chrystiane Silva e diagramado para o site da Você S/A

segunda-feira, 8 de outubro de 2012

Home office: dicas para ter um bom espaço e fazer o trabalho render

É crescente o número de empresas e profissionais autônomos que optam por trabalhar via home office. O trânsito infernal das grandes cidades, a economia de não ter um custo com um espaço físico subutilizado, a segurança de estar perto da família e o conforto de poder fazer o seu horário sem dúvida são os principais itens que levam muitas pessoas a adotar ou a sonhar em trabalhar no conforto do seu lar. Mas para isso dar certo seguem algumas dicas para fazer o trabalho render e também alguns ambientes que vão servir de inspiração para montar seu cantinho de trabalho em casa.

1. Separe um ambiente para seu espaço de trabalho

Se você tiver um quarto isolado para seu escritório é a melhor opção, se não tiver, faça um canto da casa um ambiente profissional. Com uma mesa adequada, uma cadeira ergométrica bacana (acho que aqui vale o investimento), excelente iluminação e de preferência longe de distrações visuais ou olfativas. Veja as fotos abaixo e inspire-se para criação do seu cantinho.





Projeto Débora Aguiar

2. Estipule Horários Fixos

Acho esse o maior desafio de todos! Tem gente que acha que vai começar a trabalhar a hora que acordar e terminar na hora que der sono. Se você fizer isso, vai estafar, acabar com o casamento ou virar um workaholic dos piores. Precisa ter horário de começo e término! Precisa ter horário de almoço. Precisa ter horário de cafezinho e limite para hora extra. Tem de ser horário fixo, para criar uma rotina séria, depois que estiver funcionando ai você flexibiliza.

3. Vista-se adequadamente

Parece besteira, mas é uma coisa que faz a diferença no home Office. Se você acordar e ficar de pijama trabalhando, ligando para cliente, etc é meio estranho não acha? Tipo ir para a balada de terno e gravata ou ir para a academia de calça jeans. Se vista como se fosse trabalhar, ajuda a pontuar a transição de “home” para “Office”.

4. Acordo com a Família

Se você tem filhos pequenos precisa ter alguém para te ajudar, não dá para trabalhar e cuidar das crianças.  Com filhos maiores é possível definir limites mas não deixe de conversar com a família que a casa é seu local de trabalho, definir algumas boas regras de convivência são interessantes. Afinal, seu cliente não vai entender seus filhos brigando, seu cachorro latindo e a emprega berrando tentando controlar tudo isso.

5. Invista em tecnologia

A maioria das empresas fornece um notebook para esse trabalho em casa e provavelmente uma conexão com Internet. Caso esse não seja seu caso, é legal considerar a compra de um computador exclusivo para seu trabalho. Além de funcionar como backup, é mais seguro e evita misturar o computador da casa com coisas de trabalho. Vale também investir em equipamentos como uma impressora multi-funcional, uma boa conexão com a internet, headsets, e um bom telefone voip para ligações.

Fontes: Blog senhor do seu tempo - Você SA | Casa de Valentina | Pinterest | Débora Aguiar

quinta-feira, 27 de setembro de 2012

6 ideias e possibilidades para renovar a arquitetura corporativa

Renovar o ambiente levando novos elementos e recursos para dentro da empresa é uma forma eficiente de (re) motivar a equipe e de atualizar determinadas áreas conforme suas necessidades, evidentemente.

Um lugar que está sempre do mesmo jeito aos poucos vai gerando um cansaço natural e se tornando mais e mais desinteressante. Porém, na exigente realidade de uma empresa é fundamental que todos estejam dispostos e contem com as condições necessárias para produzir melhor a cada dia.

Em casos extremos só uma reforma completa pode devolver ao espaço uma função eficiente e a capacidade de estimular constantemente seus ocupantes. Mas em outras situações, pequenas melhorias já podem proporcionar uma renovação satisfatória.

Analise o momento atual e veja qual das possibilidades e sugestões a seguir seria a solução mais indicada para atender às suas necessidades:

- Outras cores: Elas são um dos elementos da arquitetura corporativa mais notáveis e, por conseguinte, que mais influenciam a percepção de um ambiente. As cores, quando trocadas, logo promovem novos impactos e sensações. E nem é preciso uma grande mudança: pintar apenas uma das paredes ou adotar alguns detalhes coloridos já é capaz de resultar impressões diferenciadas.


- Design ousado para o mobiliário: Novos móveis com certeza fazem toda diferença. Porém, medidas radicais nem sempre são viáveis ou realmente necessárias. Ao invés de remobiliar todo o escritório é possível trocar apenas algumas “peças-chave” por móveis que tenham mais presença, ou seja, que façam a diferença por efeito de seu design original e ousado.


- Nova orientação para a iluminação: Iluminação adequada é sinônimo de conforto e saúde, mas nem por isso ela precisa ser concebida da mesma forma em todos os ambientes. Em algumas áreas específicas, como corredores, copa e recepção é possível, e até indicado, prever aplicações diferenciadas,que valorizem determinados elementos e apresentem efeitos visuais interessantes. Articular melhor e variar a iluminação em certos pontos otimiza a ambientação e contribui para criar uma atmosfera renovada.


- Tecnologia atualizada: Considerando o ritmo e o estilo de vida contemporâneo, não há nada melhor do que contar com equipamentos e recursos modernos que agilizem as tarefas do cotidiano e entreguem mais praticidade. Trocar telas CRT (de tubo), impressoras antigas, equipamentos que dependem de fios e outros sistemas defasados pelas mais novas tecnologias é não somente uma questão de remodelação das estações de trabalho, como também uma necessidade.


- Espaços de convivência: Criar um ambiente especial para o descanso e a troca de experiências e ideias entre os colaboradores é fundamental para fomentar um clima amigável, agradável e produtivo dentro da empresa. A disponibilização de uma sala de convivência traz mudanças positivas evidentes e ajuda a organização a se adequar à linguagem corporativa dos novos tempos.


- Um pé na sustentabilidade: Além de seguir uma tendência mundial de responsabilidade ecológica e de posicionar com legitimidade a marca nesse sentido, a adoção de algumas medidas alternativas e sustentáveis, como o uso de materiais reciclados, implementa o início de uma mudança de pensamento e comportamento a qual, consequentemente, produz uma sinergia muito positiva para os negócios e para a própria rotina de trabalho.



Esse texto foi originalmente escrito para o blog Dabus Arquitetura

terça-feira, 25 de setembro de 2012

Reunião sem tensão!!!

Essa mesa de "reuniões" foge COMPLETAMENTE da formalidade de um ambiente corporativo convencional mas, como não compartilhar? Ideal para empresas informais não vai existir reunião que seja estressante com essas cadeiras suspensas. A ideia do designer era trazer mais diversão para os ambientes onde a tensão já existe por si só. Buscou inspirações na infância e criou uma mesa um tanto quanto inusitada. Pode ser usada na sala de reuniões ou como apoio para o café, de uma maneira ou de outra, é garantia de um breve momento de relaxamento.Veja abaixo!!!





Fonte: Freshome